Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 

LAGOA DO RANCHO 

 

          Lagoa do Rancho é a terceira povoação mais populosa e está localizada num dos pontos de altitude do sertão sergipano, também possui solo fértil e clima fresco.

          Distante 18 km da cidade de Porto da Folha, Lagoa do Rancho se destaca como povoado organizado em urbanização. Sua origem, na visão do historiador Antônio Carlos Pereira, é bastante engraçada:

          Os comerciantes, viajantes que vinham a Porto da Folha vender seus produtos, passavam por uma estrada em frente a uma casa na beira de uma lagoa, terras do Sr. João Quenquém (pai do Padre Lima). Nas cansativas viagens em carro de boi ou lombo de animais, se aproximavam da referida casa e pediam abrigo ao morador chamado Graciliano, que os atendia com total hospitalidade. Na sequência destas viagens, os comerciantes conversavam interagindo uns aos outros: Onde vamos parar pra descansar ou mesmo dormir? No rancho da lagoa! A resposta era sempre a mesma. Daí o local ficou conhecido como Rancho da Lagoa, posteriormente: Lagoa do Rancho.

 

 

 

          Na década de 1930 ficou constatada a existência de outras casas e novos moradores, inclusive o Sr. Manoel Alves da Silva (Manoel Corcunda).

          Certo dia um viajante baiano, conhecido por João Américo, de Geremoabo e radicado em Carira, ao passar pelo local e observar certa quantidade de casas, convidou o Sr. Manoel Corcunda para juntos iniciarem uma feira. Pouco a pouco a feira foi se tornando importante para a formação e desenvolvimento do povoado já conhecido por Lagoa do Rancho.

          Entre os cidadãos que contribuíram para o engrandecimento desta localidade estão: Manoel Alves da Silva, Maria Clemência, Maria Chagas, Manoel Bolachão, Antônio Loureiro Feitosa, João Aragão, professora Maria da Graça Santos, Solano Loureiro, Dominguinhos, Francisco Bolachão, professora Ivete e outros.

          Atualmente Lagoa do Rancho é servida pela rodovia Pedro Barreto, construída e inaugurada na administração do governador João Alves Filho e do prefeito Antônio Loureiro Feitosa. A povoação no ano 2000 contava com 1144 habitantes e 419 residências, tendo como principal fonte de renda a agropecuária, visto que também se destaca na produção de leite e derivados; também se acha no bojo da bacia leiteira do sertão sergipano.