Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 

Manoel Gomes de Freitas

(Prefeito em 02 gestões)

 

          Manoel Gomes de Freitas, popularmente conhecido por Manoel de Rosinha, nasceu em Porto da Folha aos 21 de julho de 1961, filho de Cícero Gomes de Freitas e dona Antônia Rosa de Freitas.

          A luta de Manoel em prol da cidade natal o coloca entre os autênticos e fiéis buraqueiros, sobretudo por ter vivido ali sua infância, adolescência e maturidade, tendo concluindo no Grupo Escolar Cel. Maynard Gomes o curso primário e algumas séries no Ginásio Governador Lourival Baptista. Em determinado período teve que se deslocar para Aracaju afim de cursar o ensino médio na Escola Agrotécnica Federal de Sergipe e Colégio Costa e Silva, concretizando assim este objetivo.  Apesar da ausência de curso superior em seu currículo, Manoel jamais deixou de ser um cidadão culto e prestativo, honesto e competente naquilo que se propõe realizar. Talvez um dos mais inteligentes filhos desta terra.

          Quando retornou à Porto da Folha na década de 80, empregou-se na CODEVAF, posteriormente na EMATER e DEAGRO.

          Através do bom relacionamento com pessoas do campo nestas empresas, Manoel descobriu que poderia contribuir mais para o desenvolvimento de sua região sendo ele um membro da política local. Até que em 1996 decidiu se candidatar ao cargo de vereador, elegendo-se para a legislatura de 1997 a 2000. Deste período em diante soube se manter no patamar de político influente, garantindo mais uma vez, com expressiva votação, o cargo de vereador na gestão seguinte. Em 2002 concorreu a Deputado Estadual pelo PT, mas não obteve êxito. Reassumiu sua vaga na câmara e continuou com firmeza sua trajetória política.

          Na eleição de 2004, Manoel Gomes de Freitas comprovou sua popularidade ao disputar o cargo de prefeito e vencer com larga diferença seu oponente Raimundo Rodrigues. Consta que ao assumir a prefeitura em janeiro de 2005 Manoel de Rosinha encontrou a mesma praticamente falida. Nesta gestão, que se alonga de 2004 a 2008, Manoel conseguiu sanear as dívidas, vindo, inclusive, a implantar no município um sistema pouco conhecido até o momento: “prioridade ao social independente de apadrinhamento ou preconceito”, digamos que este fez duplicar o número de servidores, garantindo com isso o suporte principal para subsistência de muitos da comunidade portofolhense, mas elevando significativamente o déficit do município. 

          O segundo governo de Manoel Gomes de Freitas (2008/2012), reeleito, foi marcado pela conclusão de importantes obras no município, entre elas a pavimentação da mais antiga estrada ligando a sede ao povoado Ilha do Ouro (obra polêmica que os opositores julgaram extravagante e desnecessária). Entre outras conquistas constam: A reforma e ampliação do hospital local; ampliação do sistema de abastecimento de água em vários pontos do município; construção de praças e escolas nos povoados; pavimentação de diversas ruas da sede e povoados; implantação de postos de saúde em algumas localidades do interior; remodelação do Parque Nilo dos Santos; construção do novo mercado público municipal de Lagoa da Volta; pavimentação da pista entre Vaca Serrada e Niterói; inauguração do ginásio de esportes na Linda França e várias outras benfeitorias.

          Apesar do relevante esforço na busca do melhor para Porto da Folha, com permanente participação do governador Marcelo Déda, a última administração de Freitas não foi aprovada por alguns líderes da oposição local.

          Consta que o atual executivo, Dr. Albino Tavares (eleito em outubro/2012), recebeu a prefeitura com enorme rombo, fator anteriormente levantado pelo Ministério Público, inclusive na citação de possível irregularidade; porém nenhum ato desleal cometido na gestão anterior ficou comprovado até o momento.

          Segundo o ponto-de-vista da maioria dos buraqueiros, a atual administração realmente se acha comprometida e descontrolada em razão da folha de pagamento dos servidores, que atualmente ultrapassa o limite estabelecido por lei.Contudo, a grande fatia dos portofolhenses jamais deixou de enaltecer Manoel Gomes de Freitas pelo gigantesco empenho na variedade de privilégios conquistados por Porto da Folha nos últimos anos.

* por Joaquim Santana em 11/06/2013.