Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 

 

Eliezer Joaquim de Santana

(Tenente-Coronel da PM/SE)

 

 

          Eliezer Joaquim de Santana nasceu em Porto da Folha aos 19 de junho de 1915, filho de Joaquim José de Santana e dona Maria Josefa de Santana.

          Eliezer, o segundo filho mais velho do Sr. Joaquim “da esquina”, viveu sua infância na terra natal. Em 1933, aos 18 anos de idade ingressou como soldado na PM/SE, tendo servido em alguns destacamentos no interior, porém sua atuação maior se deu no quartel central da PM em Aracaju. Devido sua pouca escolaridade, permaneceu por determinado tempo sem promoção, mas ao conhecer Rosa da Silva, com quem adiante se casou, foi incentivado a frequentar escola particular nas horas de folga e aos poucos ir alcançando um nível compatível com o ensino médio atual.

           Em 1947 foi promovido a sargento. A partir deste ponto passou a ser notado por seus superiores como exemplar, digno de apreço pela pontualidade e prontidão em suas obrigações de militar. Eliezer procurava manter sempre em ordem o ambiente de trabalho, contribuindo assim para a elevação da hierarquia nos postos onde prestou serviços.

          Apesar da média escolaridade, o sargento Eliezer gradativamente foi conquistando seu lugar na PM/SE. Em uma das visitas que fez ao quartel, o deputado Leandro Maciel conheceu Eliezer Santana, e com ele fez grande amizade. Daí em diante o militar passou a ter maior atenção de seus superiores. Graças a este reconhecimento, Eliezer Santana teve êxito na indicação de alguns conterrâneos ao ingresso na PM/SE; para resolverem diversificados problemas em Aracaju, os portofolhenses procuravam Eliezer e tudo dava certo. Diz-se que a partir da aproximação dele com o deputado Leandro Maciel, posteriormente senador, as portas do quartel central de Aracaju foram abertas para os buraqueiros que necessitassem de qualquer apoio na capital, fator que antes existia com menor frequência.

          Em 1949, por intermédio de Leandro Maciel, o sargento Eliezer Santana foi requisitado para trabalhar no Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Estivadores e Empregados no Transporte de Carga (IAPETEC), instituição federal recém-criada; entretanto, sua verdadeira afinidade não se achava neste setor, assim o próprio Eliezer Santana posteriormente solicitou sua reintegração na polícia e foi prontamente atendido. A promoção que deveria acontecer no emprego federal foi transferida, e na PM/SE, no decorrer de 1957 Eliezer Santana obteve três promoções, chegando ao posto de 1º tenente.

          Perante a opinião de algumas pessoas, houve excesso nestas promoções; mas na realidade elas vieram de acordo com a conduta exemplar e os bons serviços prestados anteriormente por ele na corporação e fora dela. As promoções naqueles idos não aconteciam exclusivamente por meio de concursos, eram muito frequentes promoções por bravura e outros requisitos de conduta pessoal, portanto não houve exagero.   

          À convite do nobre sergipano Leandro Maciel, Eliezer Joaquim de Santana lançou sua candidatura ao cargo de prefeito de Poço Redondo nas eleições de 1958. Na concepção de Leandro Maciel, seria importante manter um militar frente à prefeitura daquele município, pois o ex-cangaceiro José Francisco do Nascimento (Zé de Julião) aos poucos vinha se destacando como provável vencedor das eleições. Meio ao alvoroço, sumiço de urna e pressão por parte do opositor, Eliezer Santana foi eleito 2º prefeito do Poço Redondo, para a gestão de 1960 a 1963. Dessa forma Leandro Maciel conseguiu neutralizar a apologia ao cangaço em ascensão naquele município.

          Em 1964, após quatro anos de afastamento, Eliezer retoma sua missão na Polícia Militar de Sergipe, desta vez com a patente de Capitão, por merecimento, pois a estadia de um militar na prefeitura de Poço Redondo se fazia necessária e importante para Sergipe naquele momento.  

          Em 1965 Eliezer Santana passou para a reserva remunerada, sendo promovido a Major e, em sequência, promovido a Tenente-coronel mesmo estando na reserva.

         Considerado homem de grande prestígio na capital pela amizade que fez com pessoas influentes, entre elas os governadores Augusto do Prado Franco, José Rolemberg Leite, Luiz Garcia e Leandro Maciel. Graças a ele, muitos portofolhenses tiveram oportunidade de ingresso na Polícia Militar de Sergipe conquistando enfim um padrão de vida melhor que o da roça, deixando com isso o município um pouco mais protegido da terrível violência. Pela representatividade e disposição permanente à seus conterrâneos, Eliezer Joaquim de Santana é considerado por muitos, filho ilustre de Porto da Folha.

          Vítima de AVC, O Tenente Coronel Eliezer Santana faleceu aos 74 anos dia 13/09/1989 em Aracaju, cujo sepultamento se deu no dia seguinte na terra natal.