Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Detalhes de nossa história

 

Cine Teatro Santo Antônio neste período funcionava corretamente utilizando-se da energia gerada melo motor instalado na Rua ao lado da prefeitura. O cinema, localizado na Rua Gouveia Lima, operava sob a administração do vereador Manezinho delegado e trouxe muita alegria aos habitantes da época.

 

 

 

ADMINISTRAÇÃO

GONÇALO DA SILVA DÓRIA

 

GonçalinhoGonçalinho

 

          Em 03 de outubro de 1950 (terça-feira) ocorreram eleições gerais no Brasil, data em que foram eleitos: o Presidente da República, senadores, deputados federais e estaduais, governadores, prefeitos e vereadores.

          Meio à vasta confusão, o Sr. Gonçalo da Silva Dória elegeu-se prefeito de Porto da Folha.
          A Câmara Municipal nesta oportunidade se renovou com os vereadores: Cícero Poderoso (presidente), Manoel de Souza Lima, José Luiz da Silva e Bartolomeu da Costa.

          Gonçalinho, representante do PR, conquistou o cargo graças ao mérito alcançado na repartição fiscal do município e apoio de Manoel de Souza Lima, visto que o resultado do pleito da localidade foi confirmado posteriormente devido algumas impugnações de urnas envolvendo Leandro Maciel e Arnaldo Rolemberg, que disputaram palmo a palmo a governança de Sergipe.         

          Mesmo diante da escassez de recursos gerada pela superação de Leandro Maciel, no município, frente ao recém-eleito governador Arnaldo Rollemberg Garcez, a administração Gonçalinho foi considerada ótima. Na sede foram executadas algumas obras, entre elas, o calçamento parcial da Rua Cel. João Fernandes com lajotas de pedras rejuntadas com cimento (dimensão que ia da Praça da Matriz ao beco de Joaquim da esquina); melhoramentos na Praça Padre Oliveira, Rua Marechal Deodoro, Escolas Reunidas, quartel policial, açude e mercado talho de carnes verde. Gonçalinho instalou mais 04 escolas no município, para as quais adquiriu imobiliário, aumentando para oito o número de unidades; fez com  que a instalação de luz chegasse até o Santo Cruzeiro, deixando-o iluminado durante o funcionamento do gerador da sede.  Em Ilha do Ouro construiu o cemitério; em Bom Sucesso e Mocambo nivelou as ruas, e na Lagoa do Rancho instalou talho de carnes verde.  

          Gonçalinho foi visto como prefeito prestativo, sobretudo pela constante atenção aos mais pobres da localidade.

          Quase no final de sua administração ocorreu o maior desmembramento das terras de Porto da Folha, fato motivado pelo efeito da Lei Estadual nº 554, de 06 de fevereiro de 1954, que veio oficializar a criação dos municípios de Curituba (atual Canindé) e Poço Redondo em obediência ao projeto de Lei Estadual nº 525ª, de 25 de novembro de 1953, pelo qual Porto da Folha cedeu 64% do seu território para a criação dos mencionados municípios, nesta ocasião Curituba constava como Segundo Distrito de Paz, ao passo que Poço Redondo já se destacava como povoação de nível populacional ligeiramente superior aos demais. A partir deste marcante acontecimento, Porto da Folha volta a ser Distrito Único, permanecendo seu termo judiciário anexo à comarca de Gararu.

            Periodicamente, o mandato de Gonçalinho se igualou ao do governador Arnaldo Rollemberg Garcez (PSD) em Sergipe.

          Gonçalo da Silva Dória encerrou sua gestão em janeiro de 1955, momento que passou o cargo para o recém-eleito Sr. Antônio Pinto de Resende.

          Gonçalo da Silva Dória nasceu em Porto da Folha dia 16/10/1894, filho de Manoel Gonçalves da Silva Dória e Amélia Maria da Costa Dória. Faleceu dia 19/11/1961 na terra natal deixando apenas uma descendente de nome Amélia.

Por Joaquim Santana Neto (diversas pesquisas, texto reeditado em 07/10/2017).